Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Forças Armadas vão permanecer em Roraima até outubro

Militares atuam para garantir a segurança de brasileiros e dos venezuelanos que entram no Brasil pelo estado

Repórter Amazônia

No AR em 12/09/2018 - 18:30

Militares das Forças Armadas vão continuar em Roraima até o dia 30 de outubro. O decreto que prorroga a atuação do Exército para a Garantia da Lei e da Ordem foi publicado na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (12), dia em que o primeiro decreto previa o fim das ações.

O envio das tropas que atuam nas cidades de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, e na capital Boa Vista, foi autorizado em agosto.

Os militares trabalham para garantir a segurança de brasileiros que vivem em Roraima e dos venezuelanos que entram no Brasil pelo estado, fugindo da crise no país vizinho.

Na semana passada, foram registrados novos conflitos, que resultaram na morte de um brasileiro e um venezuelano.

O secretário-chefe da Casa Civil, Frederico Linhares, destaca que o decreto publicado nesta quarta-feira autoriza as Forças Armadas a atuar na proteção das instalações e das atividades relacionadas ao acolhimento de refugiados.

Roraima recebeu mais de 130 mil venezuelanos desde o ano passado, segundo estimativas da Polícia Federal. Dados oficiais do governo apontam que cerca de 60% deles já deixaram o território brasileiro. Outra parte foi atendida pelo programa de interiorização.

Em parceria com organismos internacionais e prefeituras, algumas famílias são encaminhadas para outras cidades com possibilidade de abrigar migrantes e fornecer alternativas de trabalho.

Também são destaques do Repórter Amazônia desta quarta-feira (12):

-Candidata Vera Lúcia é a convidada de hoje da série de entrevistas da EBC com presidenciáveis

-Mutirão vai avaliar situação processual de quase três mil detentos no Amapá

-Rondônia e Amapá ultrapassam meta de vacinação contra sarampo e polio

O Repórter Amazônia vai ao ar de segunda a seta-feira, às 16h30 na Rádio Nacional do Alto Solimões e às 18h30 na Rádio Nacional da Amazônia.
 

Mais do programa