Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Após prisão de Rogério 157, situação na Rocinha é de instabilidade

Secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, afirma que a existência de duas facções criminosas na favela torna possível a ocorrência de novos confrontos

Repórter Nacional

No AR em 07/12/2017 - 10:55

O secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, admitiu que  a situação na Favela da Rocinha, após a prisão de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que chefiava o tráfico no local,  ainda é de instabilidade.

Sá disse que  e a existência de duas facções criminosas na favela torna possível a ocorrência de novos confrontos. Ele afirmou que a Polícia Militar está em permanente investigação dos grupos criminosos, inclusive para identificar possíveis sucessores do grupo que era chefiado por Rogério.

Roberto Sá participou nesta quarta-feira (6) de painel sobre segurança no  Seminário Reage Rio, no Museu do Amanhã, no centro da cidade. O secretário disse que as primeiras horas após a prisão serão de observação  e que os disparos ouvidos na comunidade após a operação seriam uma comemoração do grupo de traficantes rivais.

O atual líder do tráfico de drogas na Rocinha foi detido nesta quarta-feira (6) na favela do Arará, na zona norte do Rio, durante operação integrada das polícias civil e militar, que teve o apoio das Forças Armadas, da Força Nacional de Segurança e da Polícia Federal.

A Secretaria de Segurança promete manter mais de 500 policiais na Rocinha diariamente.

Ouça o Repórter Nacional (7h) desta quinta-feira (7) na íntegra:

 

Confira também nesta edição:

- Em jantar no Palácio da Alvorada, governo tenta contabilizar votos para garantir reforma da previdência

- Copom reduz juros básicos para 7% ao ano

PMDB e PTB fecham questão a favor da reforma da Previdência

Mais do programa