Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Entidades criticam operação da PF na UFMG

A Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União fizeram hoje uma operação na Universidade Federal de Minas Gerais para apurar supostas irregularidades na construção do Memorial da Anistia. A obra recebeu recursos do Ministério da Justiça.

Repórter Nacional

No AR em 06/12/2017 - 18:00

Professores e estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) criticaram e questionaram as conduções coercitivas da operação Esperança Equilibrista, deflagrada nesta quarta-feira (6), pela Controladoria Geral da União e Polícia Federal, na instituição.

Segundo a CGU, a operação busca investigar o desvio de quase R$ 4 milhões destinados à implantação do Memorial da Anistia Política do Brasil. A ideia é preservar e propagar a memória política do País, durante a ditadura civil-militar.  

Ao todo, foram cumpridos onze mandados de busca e apreensão e nove de condução coercitiva cumpridos na operação, que investiga os crimes de peculato, falsidade ideológica e associação criminosa. Depois da operação, a comunidade acadêmica da Universidade emitiu uma nota em que questiona a condução coercitiva do reitor da instituição, Jayme Ramirez, e outros acadêmicos e ex-acadêmicos. A ação dos agentes da Polícia Federal também foi considerada “ostensiva”. 

A professora Iola Gurgel, do Departamento de Medicina, classificou a denúncia como “vaga e inacreditável”.

Acadêmicos contrários à operação fizeram uma comparação com o ocorrido na Universidade Federal de Santa Catarina, onde foi deflagrada a Operação Ouvidos Moucos, em setembro deste ano. Na época, o reitor afastado, Luiz Carlos Cancellier, acusado de desviar verbas da instituição, foi preso e liberado. No início de outubro, Cancellier foi encontrado morto em um shopping de Florianópolis com indícios de suicídio.

Entidades e parlamentares criticaram e demonstraram preocupação com a condução de operações envolvendo reitores de universidades.

O Ministério da Justiça informou que não comenta operações da Polícia Federal. A CGU não se pronunciou. E em nota, a Polícia Federal afirma que agiu de acordo com as normas de Operações Policiais.

 

Confira também outros destaques no jornal:

- Metade dos brasileiros conhece alguma mulher que já fez aborto

- Operação integrada prende Rogério 157

- PMDB fecha questão para votar Reforma da Previdência

- Copom decide Ìndice da taxa base de juros

No player abaixo você confere o jornal na íntegra:

 

Tags:  UFMG PF anistia

Mais do programa