Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Temer assina decreto que muda regras para extinção de estatais

Governo espera facilitar e dar mais agilidade ao processo de extinção de uma empresa estatal

Repórter Nacional

No AR em 03/12/2018 - 10:27

Decreto assinado pelo presidente Michel Temer altera as regras para a extinção de empresas estatais e transfere para o Ministério do Planejamento a responsabilidade de conduzir as medidas para liquidar estatais federais controladas diretamente pela União.

Com a proposta, o governo espera facilitar e dar mais agilidade ao processo de extinção de uma empresa estatal.  É o que explica o professor da Universidade de Brasília e membro do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal, Nilton Marques.

"Tem casos de empresas estatais que foram criadas por alguma razão. Algumas por que o setor privado não atendia a sociedade ou era um monopólio natural. Então, têm diversas situações. Quando essas empresas perdem essas finalidades ou mesmo começam a dar prejuízos sucessivos elas podem ser encaminhadas para extinção. E aí fica mais fácil encaminhar dizendo que não existe mais aquela necessidade. Se o governo tomou essa medida, tudo isso é para encurtar ainda mais a extinção", explica o professor.

 

De acordo com o texto, o mistério do planejamento, o Ministério da Fazenda e o ministério setorial ao qual a empresa for vinculada, devem propor ao Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI) a inclusão da empresa no Programa Nacional de Desestatização. A proposta deve vir acompanhada de estudos, além dos motivos para a extinção da empresa.

Quando a resposta do CPPI estiver pronta, ela precisa ser aprovada pelos ministros do Planejamento, da Fazenda e do ministério setorial ao qual a empresa for vinculada. Por último, antes de começar o processo, a inclusão da empresa no Programa Nacional de Desestatização deve ser aprovada em ato do presidente da República.

Após a aprovação, começam as medidas iniciais para o processo de liquidação com a nomeação de um liquidante e a determinação de um prazo limite para a conclusão do processo. Também haverá a extinção das diretorias executivas e dos conselhos de administração e fiscal e a nomeação dos novos membros do Conselho Fiscal, que devem acompanhar todo o processo junto ao liquidante.

O decreto prevê ainda que as ações judiciais e extrajudiciais da empresa a ser extinta passam para a Advocacia-Geral da União. Dessa forma, a existência de passivos na Justiça deixa de ser um impedimento para a dissolução da estatal. Hoje a extinção de uma empresa pode levar anos devido a dívidas, mas na avaliação do professor Nilton Marques a causa ainda assim pode ser levada aos tribunais.

A partir de 2019, os ministérios da Fazenda e do Planejamento serão fundidos e passam a se chamar Ministério da Economia, a pasta será chefiada por Paulo Guedes, que já indicou Salim Mattar como o futuro responsável por essa área na secretaria geral de desestatização.

 

Ouça o Repórter Nacional (7h) desta segunda-feira (03):

-  Bolsonaro acompanha vitória do Palmeiras e entrega taça de campeão;

-  Nome do ministro do Meio Ambiente pode ser anunciado ainda nesta semana;

-  Energia elétrica está mais barata agora em dezembro;

-  Macacos hidráulicos levantam viaduto que cedeu em São Paulo.

 

 

 

Criado em 03/12/2018 - 10:43

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Mais do programa