País registra recorde de pessoas em tratamento contra HIV e Aids

Aids é uma doença simples de ser tratada, afirmou o pesquisador Mauro Schetcher
O Laço Vermelho é o símbolo internacional da consciência sobre o HIV e a AIDS.
O Laço Vermelho é o símbolo internacional da consciência sobre o HIV e a AIDS. sxc.hu

Cerca de 81 mil brasileiros começaram a se tratar contra HIV/ AIds no ano passado. Esse número representa um recorde e um aumento de 13% comparado ao ano de 2014. Segundo o pesquisador e idealizador do Projeto Praça Onze da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Mauro Schetcher, essa constatação tem o fator positivo, mas, ao mesmo tempo, um número muito grande de pessoas continuam se contaminando.
 
"A política de início de tratamento mudou, as recomendações mudaram mundo afora, esperava-se um grau de doença para se iniciar o tratamento. Hoje em dia, a recomendação brasileira é de que toda e qualquer pessoa diagnosticada com infecção sejam tratadas. A outra razão é, em especial, em faixas etárias mais jovens. Isso não é um fenômeno unicamente brasileiro, ocorre no mundo inteiro e o nível de infecções continua a crescer. O motivo é que essa população mais jovem não viu aquela devastação de pessoas morrendo nos anos 90", disse Mauro. 
 
O pesquisador acrescenta ainda que "o tratamento é inteiramente eficaz. Há um mito que não é verdadeiro, que tem de tomar vários comprimidos. Hoje em dia, toma-se um ou dois comprimidos, e é a doença mais simples de ser tratada. Em países desenvolvidos como a Inglaterra, a expectativa de vida de um homem infectado com HIV é maior do que o homem sem HIV, por um motivo simples, os homens não vão a médicos. Homem com HIV faz acompanhamento e por este motivo, pratica a medicina preventiva. Já a mulher faz a medicina preventiva normalmente".
 
Para Mauro, as campanhas de conscientização para prevenção da doença têm poder limitado. "Ouve-se falar em Coca-Cola todo santo dia, você é bombardeado todo dia. As campanhas devem ser intensas, durante todo o ano, para que surja condicionamento. Não é uma campanha às vésperas do Carnaval que vai mudar hábitos".
 
Ouça a entrevista no player acima, e acompanhe o Repórter Rio de segunda a sexta-feira, de 6h às 7h e de 7h30 às 8h. E para participar do programa, basta enviar uma mensagem de áudio com o seu nome e a sua pergunta para o Whatsapp da rádio: (21) 99903-5329 ou entrar em contato com a Central de Atendimento ao Ouvinte pelo telefone (21) 2117-6779 ou pelo e-mail ouvinte@ebc.com.br.

Produtor
Fatima Bomfim
Repórter Rio
em
02/02/2016 - 12:30
atualizado em
02/02/2016 - 16:43