Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

CPI da Funai: Antropólogo denuncia fraudes na demarcação de terras indígenas

Edward Luz criticou a atuação de ONGs internacionais na pauta

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a atuação da Funai e do Incra na demarcação de terras indígenas e quilombolas ouviu, nessa terça-feira (8) o depoimento do antropólogo Edward Luz, ex-membro da Associação Brasileira de Antropologia (ABA).

 

Ele criticou os trabalhos de colegas que servem de base para a demarcação de terras e disse que "a antropologia brasileira é submissa". O antropólogo, ouvido na qualidade de testemunha, citou diversos indícios de fraudes em processos de demarcação realizados pela Funai e pelo Incra e sugeriu que a atuação de ONGs internacionais na pauta indigenista esteja relacionada a interesses duvidosos.

 

Cerca de 200 indígenas das etnias Krahô e Mundurukú estavam na Câmara dos Deputados para acompanhamento da CPI. Mas nem todos puderam entrar no plenário 13, onde aconteceu a sessão.

 

Para o líder indígena Antônio Apinajé, do Tocantins, o antropólogo Edward Luz defende interesses da bancada ruralista e do agronegócio. Segundo os indígenas, a instauração da CPI da Funai e do Incra é uma manobra para a aprovação da PEC 215, que tramita no Congresso Nacional. O texto transfere do executivo para o legislativo o poder sobre a demarcação de terras.

 

Edward Luz contestou a afirmação dos indígenas e disse que não defende o agronegócio. Parlamentares contrários à CPI da Funai e do Incra informaram que a Procuradoria-Geral da República acatou o pedido de ilegalidade da Comissão proposto por eles, por não haver um fato determinado para a instauração da Comissão, o que desobedece o regimento da Câmara. Agora, cabe ao Supremo Tribunal Federal decidir sobre a suspensão da CPI.

 

Ouça ainda na edição desta quarta-feira (9): Indígenas foram presos na Operação Crátons, da Polícia Federal, deflagrada nessa terça-feira(8). A ação combate a exploração e o comércio ilegal de diamante da reserva indígena dos cinta larga, no cone sul de Rondônia. A reserva é considerada uma das maiores jazidas de diamante do mundo. E também: Tocantins e Maranhão ainda são os únicos estados da Amazônia com casos de microcefalia sendo investigados. Já são 66 ocorrências nas duas Unidades da Federação.

 

Jornal da Amazônia 1ª Edição é uma produção da equipe do radiojornalismo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 7h45, horário de Brasília.



Funai estabelece novas regras para visitação em terras indígenas

Criado em 09/12/2015 - 11:05 e atualizado em 09/12/2015 - 09:41

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique