Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Adolescente sobrevive a raiva humana no Amazonas

 A Secretaria de Saúde do Amazonas apresentou nesta terça-feira um relatório detalhado sobre a evolução do paciente de 14 anos. Ele foi submetido a tratamento contra a infecção

Repórter Amazônia

No AR em 09/01/2018 - 20:17

A Secretaria de Saúde do Amazonas apresentou nesta terça-feira (09) um relatório detalhado sobre a evolução do paciente de 14 anos. Ele foi submetido a tratamento contra a infecção.

O adolescente, morador da região do rio Unini, passou 40 dias em coma induzido. Foi submetido a um tratamento experimental na Fundação de Medicina Tropical, com supervisão de especialistas norte-americanos.

Na última semana de 2017, os médicos de Manaus retiraram os sedativos e agora o menino está sob os cuidados de profissionais e familiares na enfermaria.

 O caso é considerado raro porque apenas outras três pessoas em todo mundo, sendo uma delas em Pernambuco, no Brasil, tinham sobrevivido até hoje à raiva humana.

No ano passado, dois irmãos do adolescente que sobreviveu à doença no Amazonas morreram por causa do mesmo vírus.

O adolescente do Amazonas que sobreviveu à doença foi infectado por mordida de morcegos. Uma força-tarefa foi realizada na região do rio Unini para a vacinação preventiva dos moradores e para o controle da população de morcegos.

Após a mordida por um animal contaminado com raiva, a doença pode se desenvolver entre uma semana e nove meses. Os principais sintomas são deficit motor, com dormência ou formigamento de membros, e mudança de comportamento. Qualquer mordida de morcego deve ser investigada e a vítima levada imediatamente para uma unidade de saúde.

Também são destaques do Repórter Amazônia:

- Presos fazem rebelião em Rondônia por causa de superlotação

- Casarões no Centro Histórico de São Luís passam por vistoria para evitar desabamentos durante o período chuvoso

- E em Belém, palestra aborda a história da guitarrada paraense

Mais do programa