Mudanças climáticas impactam as áreas ocupadas pela agricultura

As alterações do clima podem gerar deslocamento de algumas culturas
Perímetro de Irrigação Salitre, na Bahia
Perímetro de Irrigação Salitre, na Bahia Ministério do Planejamento / Flickr

Ao contrário das mudanças de tempo, as mudanças climáticas demoram décadas e até séculos para acontecer. O Brasil Rural conversou com o pesquisador Giampaolo Pellegrino, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Informática Agropecuária, sobre o impacto das alterações no clima na ocupação do solo brasileiro pelos diversos tipos de cultura.
 
Segundo Pellegrino, o clima é o padrão de comportamento histórico que se mantém pelos anos, as variações de tempo consideradas normais em um local. Na agropecuária a ocupação de uma área acontece de acordo com as condições climáticas e suas alterações acabam por gerar um deslocamento em algumas áreas de ocupação. Grande parte da atividade agrícola é analisar o clima regional, ou até os microclimas dentro da propriedade, pois as culturas dependem das condições meteorológicas.
 
O pesquisador explica que quando há uma mudança da condição climática a adaptação das culturas que já estavam em uma região vai ser afetada, mas as mudanças de localização das culturas não acontecem apenas pelo clima. O café, por exemplo, uma cultura sensível, se desloca para regiões mais frias. O processo de adaptação permite o avanço de culturas para uma região que não ocorriam historicamente.
 
A frequência e a intensidade variam com as alterações climáticas. Os períodos de seca mais frequentes são um exemplo. “Ao longo da vida de um agricultor, ele poderia, no clima normal, histórico, de fato ver um evento intenso desse, porque são eventos com ciclo de 50 anos, 70 anos dependendo do evento que nós estamos tratando. O que está acontecendo é que agora ele vive mais vezes. Tem chance de ver duas ou três vezes e num período mais concentrado, explica o Giampaolo Pellegrino.
 
A Embrapa produz um Portfólio de Mudanças Climáticas, coordenado por Pellegrino, que analisa a relação das mudanças climáticas com a agricultura e tem participado de convenções como a Conferência do Clima (COP), que trata do assunto desde 2009.
 
Segundo o pesquisador, a atuação nesses eventos tem muitos reflexos dentro do país. O agricultor já percebe as mudanças no campo e as negociações afetam os programas nacionais de políticas agrícolas que estimulam a adoção de ações de adaptação para ajudar a reduzir o impacto das mudanças climáticas.
 
Para ouvir a entrevista completa com chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Informática Agropecuária clique no player no topo da matéria.
 
Sintonize o Brasil Rural, de segunda a sexta e aos domingos às 6h e sábado às 7h, nas rádios Nacional de Brasília e Nacional da Amazônia. O programa também é transmitido aos sábados às 05h na Rádio Nacional do Alto Solimões (horário local).

Brasil Rural
em
26/01/2016 - 09:29
atualizado em
27/01/2016 - 12:06