Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

PF pede arquivamento de inquérito sobre acidente que matou Eduardo Campos

A investigação apontou quatro possíveis causas para a queda do avião em Santos, no litoral paulista.

Repórter Nacional

No AR em 08/08/2018 - 18:00

Quatro anos após o acidente aéreo que matou sete pessoas, incluindo o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, a Polícia Federal não conseguiu precisar as causas da queda da aeronave.

O relatório completo foi apresentado nesta quarta-feira, em Brasília. Não houve uma conclusão porque o gravador do avião não registrava as conversas da tripulação há quase dois anos. Por isso, a Polícia Federal recomendou ao Ministério Público Federal o arquivamento do inquérito.

Segundo o delegado responsável pelos quatro anos de investigação, Rubens Maleiner, a polícia federal identificou quatro hipóteses que não foram comprovadas, mas não podem ser descartadas.

O delegado explica que outras hipóteses foram totalmente descartadas, entre elas a possibilidade de sabotagem causada por alguém. A polícia conseguiu simular todo o trajeto do avião, até o acidente, com base em imagens escaneadas, simulações, testemunhas oculares, câmeras de segurança nos arredores, cálculos de velocidade, altitude e condições climáticas.

Apesar de não ter como responsabilizar a tripulação da aeronave, a polícia detectou falhas na atuação deles, como o descumprimento de algumas normas de aviação. Mas as ações não foram determinantes para a queda do avião.

Rubens Maleiner disse que entre as quatro hipóteses consideradas no inquérito, não há como apontar a mais provável e não foi apontada a prática de algum crime. A maior dificuldade para as apurações, segundo ele, foi na ausência de gravações da cabine do avião. O delegado explicou que o gravador apresentava problemas e não gravava as conversas há um ano e nove meses. Por isso, o relatório com vinte e seis volumes e mais quatro mil páginas orienta ao Ministério Público Federal, o arquivamento do inquérito.

Confira também nesta edição:

- CNA e Ministério da Segurança Pública criam grupo para propor políticas de combate à violência no campo.

- Equipes econômicas dos candidatos a presidência apresentam propostas para o setor nos próximos quatro anos.

Mais do programa