Falta de saneamento básico influencia na proliferação do Aedes aegypt?

Evento faz parte do lançamento da campanha Mais Saneamento, menos Zica promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambien
Água e Saneamento
Água e Saneamento Agência de Notícias do Acre / Flickr

A falta de saneamento básico influencia na proliferação do Aedes aegypt? Para a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), sim. Por isso a entidade vai promover em São Paulo, nesta quinta-feira (3), uma roda de conversa sobre saneamento e combate ao zika vírus e a dengue. O encontro terá participação de palestrantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) e da Abes.
 
Em entrevista ao Revista Brasil, o presidente nacional da Abes, Dante Ragazzi Pauli, explica que o encontro é mais uma forma de mostrar a importância do saneamento e a ligação da proliferação das doenças causadas pelo aedes com o saneamento precário. “Eu acho que quanto mais a gente debater e for apresentando propostas, mais a gente avança, mesmo que de uma forma mais lenta, mais com medidas preventivas e não essa correria, que é a prática de nosso país”, opina.
 
Sobre os desafios do saneamento no Brasil, Dante Pauli fala da grave situação do esgotamento sanitário, da questão do lixo e da drenagem urbana. “A precariedade desses serviços ajuda e está provado na proliferação do Aedes aegypti e agora com seus novos vírus e outras doenças que apareceram aqui no nosso país”, complementa.
 
O encontro acontece na quinta-feira (3), na sede da Abes em São Paulo, às 18hs
 
Confira mais informações ouvindo a entrevista na íntegra no player acima.
 
O Revista Brasil é uma produção das Rádios EBC e vai ao ar, de segunda a sábado, às 8h, na Rádio Nacional AM Brasília. A apresentação é de Fátima Santos.

Produtor
Eliana Sousa
Revista Brasil
em
01/03/2016 - 13:07
atualizado em
01/03/2016 - 13:05